CRÔNICAS CONTAGIOSAS
O dia a dia da infectologia, para todos, com uma abordagem leve e descontraída.
 
 
Crônicas Anteriores

Crônica #1
Há alguns dias atrás fui chamado para avaliar um paciente com sífilis

Crônica #2
Cuidado com a doença da vaca amarela!

Crônica #3
Bactérias sem educação

Cuidado com a doença da vaca amarela!

É impressionante como a infectologia ganhou força como especialidade médica ao longo dos últimos anos. Com as ameaças e ocorrências reais de surtos e epidemias como a dengue, zika, chikungunia e etc, é cada vez mais frequente ver notícias e comentários na grande mídia e principalmente nas redes sociais. Igualmente impressionante é a quantidade de boatos e falsas informações viralizando dia após dia, sendo algumas das mais recentes a respeito da febre amarela e da “doença da vaca louca” (doença de Creutzfeldt Jacob).

E é por conta desse cenário que eu venho alertar sobre a mais nova, grave, perigosa e virulenta doença que cerca todo o nosso país, em perímetro silvestre e urbano: a doença da vaca amarela! Ela é causada por um vírus raro que atinge o sistema nervoso central e é altamente contagiosa. Fique atento caso você, algum conhecido ou familiar comece a apresentar os seguintes sintomas:

• Sintomas no sistema nervoso central:
  Comportamento obsessivo focado na criação e disseminação de informações sem fundamento.
  Comportamento compulsivo focado em compartilhar com todos os seus contatos qualquer informação que recebe sem checar sua veracidade (que deu o nome leigo pelo qual a doença também é conhecida: a febre louca).
     
• Sintomas dermatológicos:
  É de conhecimento popular que ruminar falsas informações promove pigmentação das palmas das mãos na cor amarela (um dos motivos pelo qual a doença ganhou o nome vaca amarela).
     
• Outros sintomas:
  Diferente de muitas doenças infecciosas, essa não cursa com febre ou dor no corpo.
  As vítimas, ao serem indagadas sobre seus argumentos dificilmente vão citar fontes confiáveis.
     


A doença da vaca amarela é perigosa por gerar pânico e preocupações desnecessárias na vida da população e pode ser considerada um grande problema de saúde pública. Não há vacina disponível, apesar dos esforços da comunidade científica. O único tratamento disponível é o tratamento sintomático, tentando suprir os doentes e seus contatos com informações corretas e bem embasadas.

A vacinação da febre amarela, por exemplo, não causa perda da visão e nem mata 50% das pessoas que a tomam, como já circulou muitas e muitas vezes em grupos de whatsapp. Ou que existe uma intenção governamental malévola de não vacinar pessoas com mais de 60 anos devido à dívidas da previdência. A razão de não se recomendar (nesse momento de baixo risco) vacinação nessa faixa etária é uma incidência maior de efeitos adversos. Vale a pena lembrar que uma imensa parte dos efeitos adversos não são graves e mesmo entre os graves a grande maioria não é fatal. Além disso, em área endêmica e regiões de maior risco, a vacinação de febre amarela é indicada pelos profissionais de saúde.

A doença de Creutzfeldt Jacob foi também muito viralizada. Falso surto com 7 mortes em Niterói quando não existem casos confirmados no Brasil. A variante humana, que existe no Brasil, acomete 1-2 pessoas para cada milhão de habitantes. Houve até uma campanha em formato de áudio para que as pessoas deixassem de comer carne, quando a doença não é adquirida através do consumo de alimentos, mas de forma genética ou como consequência de procedimentos hospitalares (raro).

Recentemente foi noticiado no programa Fantástico da rede Globo de televisão as consequências de publicar ou compartilhar notícias falsas na web. As pessoas que compartilham podem ser processadas e obrigadas a pagar indenizações. Eu imagino que caso seja possível identificar a origem (ou o paciente zero, no caso da nossa epidemia) o processo pode ser bem mais complicado e a indenização bem alta. É como diz o mais famoso dito popular sobre a doença da vaca amarela: “Quem falar primeiro...”

Referências bibliográficas:

•   Yellow fever vaccine-associated viscerotropic disease: current perspectives. Drug Des Devel Ther. 2016 Oct 12;10:3345-3353. eCollection 2016.

•   Adverse event reports following yellow fever vaccination, 2007-13. J Travel Med. 2016 Jul 4;23(5). pii: taw045. doi: 10.1093/jtm/taw045. Print 2016 May.

•   CJD mimics and chameleons. Pract Neurol. 2017 Apr;17(2):113-121. doi: 10.1136/practneurol-2016-001571. Epub 2017 Feb 2.

•   Creutzfeldt-Jakob disease. Neuropathology. 2016 Dec 28. doi: 10.1111/neup.12355. [Epub ahead of print]

•   http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2017/01/noticias-falsas-divulgadas-na-internet-se-tornam-um-problema-mundial.html