COLUNISTA CONVIDADO
MALARIA, UMA EMERGÊNCIA MÉDICA
Jacqueline Patrícia  
Menezes Brasil
 
 
Matérias Anteriores

Dra Tania Vergara
Artigo sobre a Febre Amarela

André De Lorenzi
Estamos intervindo demais na Natureza?

Alda Maria Cruz
Comentário de caso de neuropatia

Maria Paula G. Mourão
Febre por Oropouche

Jacson Fressatto
Projeto robô laura

Ricardo Diaz
Tânia Vergara entrevista

Alberto dos Santos de Lemos
O pacote de intervenções proposto pela OMS para pessoas que vivem com HIV

James R. Hunter
False Positive Rate (FPR) - Taxa de Falso Positivo - Uma rápida Lembrança

Dra Tania Vergara
A Febre Amarela

Maria do Perpétuo Socorro Costa Corrêa
Transmissão oral da Doença de Chagas: Uma realidade!

Isabella Ballalai
Influenza: uma infecção banal?

Dra. Cirley Lobato
Graduada em Medicina pela Universidade Federal do Amazonas

Lessandra Michelin
MD, MSc, PhD - Professor of Medicine - Division of Infectious Diseases, Vaccinology & Travel Medicine - University of Caxias do Sul

Dr. Antonio Carlos Bandeira
Doença de Haff

Dr. Rodrigo Paes Leme
Modelos matemáticos de farmacocinética e farmacodinâmica (PK/PD)

Jacqueline Menezes e Patrícia Brasil
Malaria, uma emergência médica

Dr. Rodrigo Lins
Controvérsias em sepse

O risco de se morrer por Malária se a doença for diagnosticada fora da Amazônia é cerca de 200 vezes maior do que na Amazônia, que concentra 99,7% dos casos do país.

Nas regiões não endêmicas, como o Rio de Janeiro, o desafio é lidar com a os baixos níveis de suspeição e com o diagnóstico diferencial das doenças febris endêmicas, principalmente o Dengue. É notória a pouca familiaridade das equipes de assistência e socorristas da rede na abordagem dos pacientes com malária e suas complicações. Outro ponto crítico é a dificuldade do diagnóstico laboratorial que depende do treinamento contínuo de técnicos microscopistas, expertise difícil de ser mantida fora das áreas endêmicas

O atraso diagnóstico superior a 48 horas em pacientes não imunes é fator de risco associado ao óbito na malária por P. falciparum

O aumento sistemático do número de casos de malária grave ocorre nessa época do ano quando missionários, trabalhadores de empreiteiras, mineradoras, etc voltam para casa para as festas de final de ano no Rio de Janeiro, vindo sobretudo do continente africano. Isso ilustra a importância da febre como sinal clínico de emergência médica em viajantes provenientes de áreas endêmicas. O treinamento dos profissionais de saúde locais para a vigilância da malária, pode ajudar a reduzir a morbiletalidade da malária na região extra-Amazônica. O encaminhamento imediato de pacientes com suspeita clínica de malária para uma unidade de referência de pronto diagnóstico e tratamento de malária pode salvar vidas.

Febre? Pode ser malária!

O Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI) da Fiocruz do Rio de Janeiro em apoio à SES, CIEVS e SMS oferece atendimento, diagnóstico parasitológico, internação e tratamento de malária.

Contatos telefônicos do médico plantonista 24h: (21) 3865-9522 ou 3865-9510

O Centro de Referência da Malária na Extra Amazônia, formado pelo Laboratório de Pesquisa em Malária do Instituto Oswaldo Cruz junto com o INI também oferece diagnóstico molecular de malária e o Serviço de Orientações pelo Malária Fone: (21) 99988-0113.

Malária é uma Emergência Médica e pode matar se não tratada nas primeiras 48h!



Rio notifica cinco casos suspeitos de malária

Publicado em 26/12/2018 - 10:40 - Por Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil -  Rio de Janeiro


















<< Anterior